EU PRECISO MEDITAR? – U+

EU PRECISO MEDITAR?

19 de novembro de 2019

Uma explanação sobre meditação e Ayurveda por Matheus Macêdo e Jaqueline Halack.

Quando falamos de meditação, assim como quando falamos de Ayurveda, as pessoas tendem logo a fazer conexão desses dois tópicos com a Índia, com a cultura indiana ou com o hinduísmo. Isso acontece porque o Ayurveda é uma estrutura de pensamento originada na Índia. A maioria das pessoas acredita que quem medita é budista ou hinduísta. Logo, se você não acredita em Shiva, por exemplo, meditação e Ayurveda não teriam um espaço dentro da sua vida.

Mas essa associação direta entre Índia e Ayurveda, e oriente e meditação, não é necessariamente verdade. Por exemplo, os computadores pessoais, os celulares ou laptops, foram produzidos nos EUA, na sua grande maioria. A internet surgiu nos laboratórios de universidades americanas. Os EUA são um país majoritariamente cristão, o que não significa que a internet e os computadores sejam instrumentos cristãos. Você pode ser um muçulmano e usar computadores e a internet. Esses utensílios foram criados em ambientes majoritariamente cristãos. Isso não que significa esses instrumentos estejam atrelados a essa cultura e a essa religiosidade.

O Ayurveda é um instrumento; assim como a meditação. Você pode aplicar esses instrumentos em diversas culturas, e dependendo de onde você aplicar, o Ayurveda passa a ganhar uma característica própria daquele lugar. Assim, nós no Brasil ou em Portugal, temos que trabalhar para desenvolver um Ayurveda que seja tipicamente brasileiro ou tipicamente português.

Vai existir em algum momento um Ayurveda Brasileiro ou Português ou Angolano, quem sabe. Esse é um dos nossos objetivos no Vida Veda. Se você apenas transplantar o Ayurveda como ele é praticado na Índia para o Brasil, você não terá o mesmo efeito benéfico que poderia ter se nós da comunidade ayurvédica brasileira trouxermos os elementos e instrumentos do Ayurveda e aplicarmos essa leitura à realidade brasileira.

Assim, o Ayurveda terá uma cara diferente, dependendo do país onde estiver presente. É claro que ainda vai obedecer aos mesmos princípios (que continuam sendo os mesmos). Aqui no Vida Veda procuramos explicar que são princípios estabelecidos nos Samhitas, ou seja, foi um instrumento elaborado dentro de um contexto indiano, mas que hoje em dia pode ser apropriado e pode ser modificado ou adaptado independente do lugar onde você mora.

Da mesma forma acontece na meditação. Ela é um instrumento que é usado para se alcançar um objetivo que pode ser definido a partir do local onde a pessoa vive e da crença que ela tem.

Existem duas maneiras como ela se manifesta: integrada com algum princípio ou com alguma identidade religiosa, e não integrada, a qual podemos chamar de uma “metodologia mais laica”.

A definição de dicionário de meditação está muito ligada a pensar, refletir. Então a maneira como a gente originalmente usava a palavra meditação, como um meio de pensar ou analisar sobre algum aspecto, está pura e simplesmente atrelada a etimologia da palavra apresentada pelo dicionário. Atualmente a palavra meditação está mais atrelada a buscar uma relação com o divino ou se distanciar do vínculo com o terreno.

Você vai ouvir pessoas dizendo que meditar é limpar a mente de pensamentos, é não pensar em nada. Muitas pessoas também têm dificuldades de entender essa forma de meditar. Outras vezes as pessoas fazem visualizações de divindades como Jesus, Shiva e tentam estabelecer uma relação com ela, e a esse processo dá-se o nome de meditação. Também um relaxamento guiado, como por exemplo ao término de uma prática de yoga, onde as pessoas comumente dizem, “no fim da prática tem meditação”.

Você pode pegar livros de místicos cristãos, por exemplo, que falavam sobre meditação. Se você é budista, imediatamente você já consegue visualizar uma pessoa sentada, embaixo de uma árvore, porque foi assim que Buda alcançou a iluminação e a libertação para todo o sofrimento humano. Mas, se for cristão, pode entender de uma outra forma.

Não importa.

Se você estuda o Yoga sutra de Patanjali, você compreende que você pode usar o Yoga para equilibrar as oscilações da mente. Pois o asana (a posição) mais importante, que ele chama de sukhasana (uma posição física na qual você possa ficar confortável) é utilizada no intuito de encontrar um ponto de equilíbrio de conforto do corpo físico para facilitar a prática da meditação. Nesse caso, a meditação é um processo pelo qual a pessoa vai buscar sabedoria, compreensão da realidade (samadhi).

Você já deve ter percebido, neste ponto da leitura, que há muitas maneiras de meditar, né?

Dentro dos Samhitas, meditação pode ser um instrumento para buscar o entendimento maior da vida. Por exemplo, o Caraka Samhita (Sarirashtanacapítulo 1 e 3) fala sobre a origem do sofrimento e da mente humana. Ele diz que quando você estabelece uma conexão errada ou desvirtuada entre o corpo, a mente e a realidade do que você é de verdade (atma ou avyaktaaquilo que não pode ser compreendido), você sofre. Por exemplo, quando você acredita que você é o corpo físico, ou quando você acredita que você é a mente, isso para o Ayurveda é uma forma errônea da percepção. Então se existe uma conexão de você com a mente e de você com o corpo, a partir do momento em que o corpo sofre, você sofre. Se a mente oscila, você oscila.

A meditação entra, nesse contexto, como um instrumento de compreensão da realidade. De compreensão do que é exatamente o corpo físico, do que é o corpo mental e de quem é você que é aquele que observa o funcionamento do corpo físico, sem ser o físico, e que observa o funcionamento da mente sem ser a mente.

Se estudarmos de acordo com os Samhitas, na hora que você chegar no Sarirashtana 1 e 3, você terá que se colocar numa posição de reflexão sobre a realidade da sua existência. Nesse momento, a meditação pode ser bastante útil.

Dito isso, você pode usar meditação como uma ferramenta para alcançar o objetivo que você quiser. O estudante que se prepara para o vestibular pode usar a meditação para acalmar a mente, diminuir sua ansiedade ou melhorar a velocidade de raciocínio. Uma grávida por exemplo, pode usar a meditação para se colocar num estado mais presente, mais calmo etc.

A meditação então pode ser usada num contexto mais religioso, mas também pode ser usada num contexto muito prático. Então como meditar? Como começar?

Você pode começar com algumas meditações guiadas, baixando alguns aplicativos como o ®InsightTimer e o ®Headspace. Neles você terá a chance de escolher um programa que lhe agrade. Haverá um narrador dizendo sobre as ações que você deve seguir e é só deixar fluir. Essa experiência pode lhe ajudar a entrar em contato com sua essência, a ter um momento de silêncio, que como bem sabemos é um dos pilares de uma vida saudável.

Olhar para dentro, num mundo onde tudo acontece em um clique, silenciar e observar o que está acontecendo dentro de você, fará de você uma pessoa mais saudável e feliz.

Você também pode fazer um Vipassana de acordo com a tradição de Goenka, fazer um retiro de 10 dias (isso existe no Brasil e no mundo todo). Você pode fazer também meditação transcendental, na linhagem do Maharishi, ou Zazen, que é típica do zen budismo.

Não importa se você vai meditar com um aplicativo de celular ou se você vai fazer um curso de meditação. De qualquer forma você colherá efeitos positivos com essa prática. O primeiro grande efeito é que você vai perceber mais o seu momento presente. Dos três momentos da vida (passado, presente e futuro), a sua mente estará mais ancorada no presente. O segundo efeito é a calma. Você ficará muito menos reativa a tudo. O terceiro ponto é estar mais amorosa. Por ser capaz de se observar e se entender melhor, você desenvolverá uma empatia maior pelas pessoas. As atitudes negativas do outro não são mais vistas apenas por questões pessoais contra você, mas sim pela falta de compreensão ou talvez clareza do outro em relação a você ou ao problema.

Atitudes negativas muitas vezes vêm de um lugar de medo e insegurança. Através da empatia percebemos quanto sofrimento isso pode gerar para as pessoas.

E se você resolver não meditar por questões de crença ou dificuldade, não tem problema! Apenas crie momentos de consciência para o seu dia. Se você trabalha muito ao longo do dia, permita-se parar a cada 3 horas apenas para olhar para si. Respire fundo, volte a atenção para você. Pergunte-se: onde estou, quem está a minha volta, como estou me sentindo, como vejo esse lugar. Tomar consciência do momento presente já é uma forma de meditar!

Espero que esse artigo tenha contribuído de alguma forma para seu conhecimento.

Curso de meditação Vipassana segundo a tradição de N. S. Goenka: http://www.dhamma.org


Buscar Cursos